quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Diário de Viagem - Fim!

De Berlin, fomos para Frankfurt, onde teríamos mais um dia e uma noite e meia. Explico: chegamos em Frankfurt um dia de noite, dormimos, passamos o dia seguinte inteiro lá e dormimos umas horinhas, porque tínhamos que acordar antes das 4h da manhã.
Como uma parte das nossas malas tinha ficado em Offenburg, no dia seguinte ao que chegamos, meus pais foram para lá buscar nossas malas. Imaginei logo de cara que passar um dia todo sozinha com os meus irmãos no aeroporto seria um tédio (ficamos no hotel do aeroporto para termos aquela meia noite de sono que escrevi acima). Afinal, o que tem para fazer em um aeroporto?
Descobri rapidamente que eu estava errada. Tomamos café do Starbucks de manhã, aproveitamos a Wifi do quarto, almoçamos em uma mercado que tinha buffet, andamos pelas lojas, ouvimos pessoas de todos os lugares do mundo falando todas as línguas do mundo.
Percebi que o aeroporto de Frankfurt era muito mais divertido do que um shopping! Além de ser lindo e enorme - eu, Cris e Timmy nem aguentamos andar por tudo - tem pessoas diversas, e simplesmente sentar em um banco e observar o movimento pode se tornar algo divertido.
No fim da tarde, meus pais estavam de volta e terminamos de arrumar nossas coisas. Na madrugada seguinte, teríamos uma corrida contra o tempo.

Posição, atenção, valendo: tocava nosso despertador às 3h da manhã. Eu e Timmy, os atletas do Triatlo, corremos até a área de pegar carrinhos para malas, uns 500 metros do hotel; enquanto nossos companheiros de equipe colocavam todas as bagagens prontas no elevador e faziam check-out. Voltamos em ritmo de trote com nossos carrinhos e nossa equipe já estava pronta. A segunda parte da nossa prova era chegar rápido à área de embarque: a equipe -18 era responsável por correr com os carrinhos de malas para chegarmos a tempo no guichê de despachar malas; a equipe +18 chegaria em seguida com as malas de mão e documentos.
Despachar malas: conseguimos!
Fazer check-in no horário: conseguimos!
Preencher as notas para receber os impostos de volta (fica a dica se vc está fazendo uma viagem internacional e comprou várias coisas): conseguimos!
Agora só faltava ir rapidinho até o avião. Conseguimos também!
Parece tudo drama? Parece, sim; mas eu não menti quando disse que o aeroporto é enorme! Duas horas lá dentro parecem cinco minutos, e você pode perder o horário do seu avião ou trem rapidinho, se bobear ;-)
Às 6h da manhã, estávamos decolando. Fizemos uma escala em Lisboa para comer uns pastéis de Belém no aeroporto e ouvir o (super fofo) sotaque português. De noite, chegamos em terras brasileiras para mais uma aventura: pegar as malas em Guarulhos e redespachá-las para Curitiba, correndo contra o tempo (e contra o calor, pois chegamos agasalhados em plenos 30°C, minha gente!). Porque, além de termos que pegar as malas e esperar na fila para despacharmos de novo, tínhamos que chegar a tempo no Terminal 1 de Guarulhos: o "puxadinho" do aeroporto que leva 15 minutos de ônibus dos outros dois terminais (êêê, Brasil).
Despachamos as malas e corremos até o ônibus que estava passando (detalhe: os ônibus para o Terminal 1 passam de 15 em 15 minutos!). Conseguimos pegar aquele e chegamos na área de embarque com uns minutinhos de sobra.
Acha que acabou? Quando chegamos em Curitiba, fomos pegar nossas malas (só 10...). Espera. Esteira lenta. Todos os passageiros do voo, menos 2 e nós, já tinham ido embora. Passam 10 minutos. A esteira para. Nós e os outros dois continuamos de mãos vazias. E aí, Azul?
Tinham "esquecido" de colocar nossas malas no avião em São Paulo. O que eu já estava achando ruim, o meu pai achou uma maravilha: não teríamos malas para colocar no carro, elas iriam direto para a nossa casa!
Ficou pior para a moça que estava sem a mala também: era estrangeira e todos os pertences estavam na mala, que só chegaria no dia seguinte ou 2 dias depois.
Cansados, mas felizes, encontramos nossos avós em Curitiba e, depois de muitos abraços, fomos para casa.
São Bento do Sul, casa, cama: alívio!

E esse foi o fim cheio de emoções da nossa viagem, que agora está completando um ano da ida.
Para quem diz que não faço esportes, queria deixar escrito que já fiz maratona de aeroporto, hahaha.
E para quem leu tudo: meus sinceros agradecimentos pela sua paciência com essa escritora sumida e posts esporádicos e pelo seu apoio lendo o meu blog. Você é demais e Jesus te ama <3
Abraços com muito amor,
Gabi H.

Fotos de fora, chegando ao aeroporto


Fotos aleatórias do hotel


Maquete do aeroporto


Mais um pouquinho desse aeroporto lindo <3

domingo, 11 de novembro de 2018

Diário de Viagem - Dia 78/79

Dia 16 de fevereiro de 2018: nossa viagem já estava em contagem regressiva para acabar!
Decidimos ir passear um pouco pelo centro da capital alemã. Fomos conhecer a maravilhosa catedral da cidade, Berliner Dom, e andamos um pouco ali por perto, entrando nas lojas e admirando as lindas construções que deixam o centro de Berlim encantador.
E, claro, almoçamos Curry Wurst: não dava para passear por toda a capital alemã e não conhecer a comida mais famosa dela, certo?
No dia 17, fizemos passeios parecidos: conhecemos as catedrais gêmeas e o Konzerthaus, passamos por várias lojas, admiramos vitrines, e, por fim, fomos na KaDeWe, a famosíssima e enorme loja de departamentos de Berlin.
Também aproveitei pra encontrar uma amiga brasileira que estava fazendo intercâmbio e tomar um café com ela.
Depois de dois dias seguidos passeando e fazendo algumas comprinhas, ainda encontramos forças para fechar todas as malas. Nosso próximo destino era Frankfurt, então, casa!

Agora, chega de escrever, porque as fotos dos passeios são muito mais legais do que a narração:


 Berliner Dom

 Selfie de longe com o Fernsehturm

 Uma das catedrais gêmeas

 Konzerthaus


Café com a Martina ❤

Até o próximo post!

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Dia 77 - Mais fotos!

Já que as fotos falam muito mais que palavras...


Um estúdio de TV antigo




Exercícios simples pra entender sistema binário e conceitos de eletricidade, respectivamente 


Exposição de navios


Mais eletricidade <3


Entendendo vários conceitos de força: os “brinquedos” eram diversos, mostrando a diferença que a distância ou as polias fazem. 
O objetivo desse da foto era a Cris levantar a balança em que o Timmy estava, testando as três cordas para descobrir onde era “mais leve”


Pra terminar, selfie no Potsdamer Platz com um ursinho de Berlin atrás hahaha

domingo, 29 de julho de 2018

Diário de Viagem - Dia 77

Hellooo!
Nesse dia, meus pais foram à uma feira de negócios. Para nosso azar (meu e dos meus irmãos), no prédio em frente era o Museu de Tecnologia de Berlin! 
Compramos os ingressos e fomos explorar o museu gigantesco: era muito interativo e tinha temas variados. Passamos por uma sessão enorme da história dos trens, vimos moinhos do lado de fora, andamos entre câmeras, celulares e computadores antigos e vimos muitos aviões e navios também. Cada parte tinha explicações curtas e cheias de curiosidades sobre o que estávamos vendo. 
Depois de umas 3 horas andando, já não aguentávamos mais caminhar, com dores nos pés, e não tínhamos visto nem metade do museu!
Um tempo depois do almoço, nossos pais nos encontraram lá e fomos para o segundo prédio do museu, que tinha mais coisas de tecnologia e menos de história (eba! Hahaha). Lá, podíamos fazer e ver vários experimentos que provavam conceitos físicos, vimos ilusões de ótica e brincamos com efeitos de som e luz. 
No fim da tarde ainda fomos a um dos shoppings do Potsdamer Platz, um conjunto de lojas e prédios lindos no centro de Berlin. O shopping era muito legal e tinha lojas dos mais variados tipos. 
E, claro, para terminar o dia com chave de ouro, compramos o sorvete de Kinder Bueno que lançaram na Alemanha: é bom mesmo!
Abraços...

Fotos:



Berlin já tinha trens quando o Brasil só tinha Pau-Brasil ainda! Hahaha




Uma recriação de como eram os vagões em que os nazistas levaram os judeus para os campos de concentração: davam uma sensação ruim só de entrar


Se você já assistiu “Thomas e seus amigos” vai entender quanto legal esse negócio é! Os trens param ali em cima, e a plataforma redonda gira, direcionando o trem para o trilho que ele deve seguir - e existe de verdade!




Um gráfico comparando os tempos de algumas viagens de trem, de 1900-1934




Marque a alternativa correta. Isso é:
a) um telefone antigo
b) um protótipo do iPhone 11
c) uma calculadora estilosa


sábado, 26 de maio de 2018

Diário de Viagem - Dia 76

Oiee!
No segundo dia, decidimos passear um pouco mais. Durante a manhã, fomos turistar no centro de Berlin: tiramos fotos no Brandenburg Tor, vimos o memorial do Holocausto ali perto e passamos por algumas lojas – a rua ali perto do Brandenburg Tor é tipo a Champs-Élysées de Berlin, hahaha.
Depois, fomos a um Outlet perto de Berlin, onde estivemos em 2013 também. Descobrimos que muitas lojas diminuíram de tamanho e que, de outlet mesmo, tinham pouco! Os preços estavam altíssimos, mas achamos algumas lojas com promoções boas também. 
Mesmo com poucas promoções, o passeio valeu só pelo café: a cafeteria era maravilhosaaa! Pedi sorvete, hahaha.
Depois, voltamos para casa e pedimos pizza por um aplicativo, só para testar. Apesar de a entrega ter demorado muito, a pizza era ótima!

Até...

Fotos:



Fotos bem turista no Brandenburg Tor






Memorial do Holocausto


Sorvete com cookieeess <3

Diário de Viagem - Dia 75

No nosso primeiro dia na capital alemã, decidimos relaxar um pouco e passear só de tarde.
Fomos conhecer o Museu do Muro de Berlin, e foi muito legal. O lugar tem partes do muro; histórias de fugas, de mortes, de casamentos e de destruição; marcação de onde passavam túneis cavados por pessoas desesperadas para encontrarem quem estava do outro lado. 
Apesar de ter sido um dia muito divertido, também foi muito chocante: pensar que minhas bisavós passaram por tudo aquilo, que famílias foram separaras, que crianças foram mortas tentando chegar perto do muro. Até onde chega a insensibilidade e maldade do ser humano? Ou, talvez, até que ponto um ser humano chega lutando por uma causa em que ele acredita? 
As fotos podem explicar muito melhor do que eu... por isso, confira algumas que eu tirei abaixo, com legendas:


Marcação de onde era o muro (postes) e do túnel cavado (pedras)


A calçada também tinha a linha de onde o muro passava


Trecho grande de muro que continua em pé, visto do Museu do Muro, que é mais alto para você poder enxergar tudo de cima


Um exemplo do muro e as torres de controle dos soldados




Partes do muro pichadas 

Eu sei que não são tantas fotos, mas achei que, por respeito, eu não deveria fotografar tudo: as histórias e fotografias eram chocantes demais para me deixarem insensível à dor das pessoas que foram separadas da família ou foram mortas por soldados.  

Abraços!


quarta-feira, 16 de maio de 2018

Diário de Viagem - Dia 74

Ebaaa, dia de ir para Berlin! 
Colocamos tudo no carro e ficamos o mais confortáveis possíveis: eram quase 8h dentro do carro. Depois de darmos um tchauzinho para a toda branca de neve Durbach, que foi nosso cantinho pelos 3 meses de viagem, dirigimo-nos ao norte!
De surpresa, paramos em Frankfurt, no aeroporto, porque o Papi decidiu curtir mais a Autobahn na nossa última semana: trocou o Rapid (estilo um Gol aqui no Brasil) por um Audi A4!
O resto da viagem até Berlin foi muito empolgante, claro! Chegamos em 250km/h, e depois de um tempo, andar a 150km/h parecia muuuito devagar. É incrível ver como as rodovias são boas e os carros também: não dava pra sentir toda a velocidade hahaha.
Ainda fizemos algumas paradinhas para banheiro/comida, e de noite chegamos em Berlin.
Curiosidade: as Autobahnen tem muito mais paradas do que as rodovias brasileiras! Paradas com McDonalds, postos de gasolina, mercados... às vezes, também eram só estacionamentos com banheiro químico. De qualquer forma, era muito bom poder parar nas viagens em lugares limpos e seguros para fazer uns alongamentos, comer e usar o banheiro! Hahaha
Para esse dia foi isso! Chegando em Berlin, só queríamos aproveitar as camas...
Abraços!

Fotos:



Durbach branquinha...


(Não consegui tirar fotos dos 250km/h, mas aqui tem provas de que pelo menos em 220km/h nós chegamos!)